Notícias

A Emulsão Lipídica Intravenosa (ELI): Uma Abordagem Inovadora no Tratamento de Intoxicações em Animais de Estimação

A Emulsão Lipídica Intravenosa (ELI) é uma solução composta principalmente por óleos vegetais, fosfolipídios, glicerol e água. Originalmente desenvolvida para fornecer nutrição parenteral, a ELI ganhou destaque na medicina veterinária como um tratamento potencial para intoxicações lipofílicas.

Contexto e Introdução:

A medicina veterinária, assim como a medicina humana, está em constante evolução. Ao longo dos anos, temos testemunhado avanços significativos em diagnósticos, tratamentos e cuidados preventivos para animais. No entanto, um dos desafios persistentes enfrentados por veterinários e donos de animais é a intoxicação. Seja por ingestão acidental de substâncias tóxicas, medicamentos humanos ou exposição a produtos químicos, a intoxicação pode ter consequências graves e, em alguns casos, fatais para os animais.

Nesse cenário, a Emulsão Lipídica Intravenosa (ELI) surgiu como uma luz no fim do túnel. Originalmente desenvolvida para uso em seres humanos como fonte alternativa de calorias e ácidos graxos essenciais, a ELI começou a ganhar destaque na comunidade veterinária por seu potencial terapêutico em casos de intoxicações. O estudo “Treatment of severe lipophilic intoxications with intravenous lipid emulsion: a case series (2011–2014)” foi um marco nessa descoberta, lançando luz sobre a eficácia da ELI como tratamento em diversos casos de intoxicação em animais.

A introdução da ELI no campo da medicina veterinária representa não apenas um avanço no tratamento de intoxicações, mas também uma esperança renovada para donos de animais e profissionais da área. A capacidade da ELI de atuar como uma espécie de “ímã lipídico”, atraindo e sequestrando substâncias tóxicas, a torna uma ferramenta valiosa, especialmente em casos onde os tratamentos convencionais podem não ser suficientes.

Método Aplicado: Emulsão Lipídica Intravenosa (ELI)

A Emulsão Lipídica Intravenosa (ELI) é uma solução composta principalmente por óleos vegetais, fosfolipídios, glicerol e água. Originalmente desenvolvida para fornecer nutrição parenteral, a ELI ganhou destaque na medicina veterinária como um tratamento potencial para intoxicações lipofílicas.

Mecanismo de Ação:

A eficácia da ELI no tratamento de intoxicações baseia-se em seu mecanismo único de ação. A ELI atua como uma espécie de “esponja lipídica”, capturando e isolando substâncias tóxicas lipofílicas no sangue. Este processo é frequentemente descrito como a “teoria do compartimento lipídico”, onde a ELI cria um compartimento lipídico no espaço intravascular, efetivamente sequestrando a substância tóxica e impedindo-a de causar mais danos aos órgãos vitais.

Administração:

A ELI é administrada intravenosamente, permitindo uma ação rápida. A dosagem e a duração da administração variam de acordo com a gravidade da intoxicação, o tipo de substância tóxica e o peso do animal. Geralmente, uma dose de bolus é administrada inicialmente, seguida por uma infusão contínua para manter níveis terapêuticos da emulsão no sistema.

Vantagens da ELI:

  • Rapidez de Ação: Devido à administração intravenosa, a ELI age rapidamente, muitas vezes mostrando melhorias nos sintomas em questão de horas.
  • Ampla Aplicabilidade: A ELI tem mostrado eficácia contra uma variedade de substâncias tóxicas, tornando-a uma ferramenta versátil no tratamento de intoxicações.
  • Segurança: Quando administrada corretamente, a ELI tem um perfil de segurança favorável, com efeitos colaterais mínimos.

Limitações e Considerações:

Embora a ELI tenha mostrado promessa no tratamento de intoxicações, ela não é uma panaceia. Em alguns casos, especialmente quando o tratamento é atrasado ou a dose da substância tóxica é extremamente alta, a ELI pode não ser suficiente para reverter os efeitos tóxicos. Além disso, a ELI é mais eficaz contra substâncias lipofílicas e pode não ser adequada para intoxicações por substâncias hidrofílicas.

Detalhes dos Testes em Animais:

O estudo “Treatment of severe lipophilic intoxications with intravenous lipid emulsion: a case series (2011–2014)” analisou a resposta de dez animais distintos à administração de ELI após intoxicações variadas. Cada animal apresentou uma situação única, refletindo a diversidade de cenários que os veterinários podem encontrar em sua prática diária.

  1. Chihuahua: Este jovem cão de apenas 1 ano enfrentou uma intoxicação por baclofeno, um relaxante muscular. Após a ingestão, o Chihuahua apresentou sinais clínicos preocupantes como vômito e ataxia grave, indicando uma perturbação significativa no sistema nervoso.
  2. Boston Terrier: Aos 10 anos, este cão foi exposto a uma combinação tóxica de ivermectina e spinosad, substâncias frequentemente encontradas em tratamentos antiparasitários. Embora esses medicamentos sejam benéficos quando administrados corretamente, uma superdosagem pode ser perigosa.
  3. Labrador Retriever: Este cão foi exposto ao carbamato, um pesticida comum. O mesmo apresentou sintomatologia aguda compatível com o quadro de intoxicação, havendo sinais clínicos de tremores, salivação excessiva e fraqueza.
  4. Golden Retriever: Em um incidente atípico, este cão ingeriu metanfetamina, uma droga ilícita potente. Os principais sinais clínicos foram agitação, taquicardia e hipertermia, indicando uma estimulação excessiva do sistema nervoso.
  5. Bulldog Francês: Este cão foi exposto à anlodipina, um medicamento anti-hipertensivo comumente usado em humanos. Havendo sinais clínicos de hipotensão e a letargia, indicativos de um quadro de intoxicação.
  6. Poodle: Em um caso de envenenamento acidental, este cão foi exposto a um rodenticida dicumarínico, denominado de brometalina. Os principais sinais clínicos evidenciados foram neurológicos, como tremores e convulsões.
  7. Dachshund: Este cão foi intoxicado por um agente organofosforado, um pesticida comum. O quadro tóxico manifestou-se através de salivação excessiva, vômito e diarreia.
  8. Pastor Alemão: Este cão foi intoxicado por um fármaco denominado de ivermectina, um antiparasitário. Os sinais clínicos apresentados foram neurológicos, tais como ataxia, cegueira temporária e depressão do sistema nervoso central.
  9. Boxer: Este cão foi intoxicado por um agente rodenticida dicumarínico, que provocou neste animal efeitos debilitantes, apresentando hemorragia e anemia.
  10. Gato Doméstico: O único felino do estudo foi intoxicado por rodenticidas dicumarínicos, assim como o Boxer. Este gato apresentou hemorragia e anemia após a ingestão.

Aplicação da ELI e Resultados Observados em Animais Testados:

  1. Chihuahua:
    • Intoxicação: Baclofeno.
    • Aplicação da ELI: Dada a gravidade dos sintomas, uma dose de bolus de ELI foi administrada rapidamente, seguida de uma infusão contínua.
    • Durante o tratamento: O Chihuahua mostrou uma melhora notável nas primeiras horas, com redução da ataxia.
    • Resultado: Recuperação completa em 48 horas. A rápida administração da ELI após a ingestão do tóxico foi crucial para o sucesso do tratamento.
  2. Boston Terrier:
    • Intoxicação: Ivermectina e spinosad.
    • Aplicação da ELI: Uma dose inicial de bolus foi administrada, seguida de infusão contínua.
    • Durante o tratamento: Os tremores diminuíram progressivamente.
    • Resultado: Melhora significativa em 24 horas, recuperação total em 72 horas. A ELI ajudou a neutralizar os efeitos neurotóxicos dos antiparasitários.
  3. Labrador Retriever:
    • Intoxicação: Carbamato.
    • Aplicação da ELI: Dose de bolus seguida de infusão contínua.
    • Durante o tratamento: Os tremores e a salivação excessiva diminuíram gradualmente.
    • Resultado: Estabilização em 12 horas, recuperação completa em 5 dias. A ELI ajudou a sequestrar o carbamato, reduzindo sua biodisponibilidade.
  4. Golden Retriever:
    • Intoxicação: Metanfetamina.
    • Aplicação da ELI: Dose de bolus imediato devido à gravidade da intoxicação.
    • Durante o tratamento: A agitação e a taquicardia foram reduzidas significativamente nas primeiras horas.
    • Resultado: Normalização da frequência cardíaca em 6 horas, recuperação total em 3 dias. A ELI ajudou a limitar os efeitos cardiovasculares da metanfetamina.
  5. Bulldog Francês:
    • Intoxicação: Anlodipina.
    • Aplicação da ELI: Dose de bolus seguida de infusão contínua.
    • Durante o tratamento: A pressão arterial do cão começou a se estabilizar.
    • Resultado: Pressão arterial estabilizada em 24 horas, recuperação completa em uma semana. A ELI ajudou a contrariar os efeitos hipotensivos da anlodipina.
  6. Poodle:
    • Intoxicação: Brometalina.
    • Aplicação da ELI: Dose de bolus imediato devido à gravidade dos sintomas neurológicos.
    • Durante o tratamento: A frequência e a intensidade das convulsões diminuíram.
    • Resultado: Redução das convulsões em 2 horas, recuperação completa em 4 dias. A ELI ajudou a sequestrar a brometalina, limitando seus efeitos no sistema nervoso.
  7. Dachshund:
    • Intoxicação: Organofosfato.
    • Aplicação da ELI: Dose de bolus seguida de infusão contínua.
    • Durante o tratamento: Apesar da administração da ELI, os sintomas do Dachshund não mostraram melhora significativa.
    • Resultado: Infelizmente, o Dachshund não respondeu ao tratamento e faleceu 36 horas após a administração da ELI. A extensão da exposição e a possível demora no tratamento podem ter sido fatores contribuintes.
  8. Pastor Alemão:
    • Intoxicação: Ivermectina.
    • Aplicação da ELI: Dose de bolus seguida de infusão contínua.
    • Durante o tratamento: A ataxia e a cegueira temporária começaram a se resolver.
    • Resultado: Recuperação da visão em 24 horas, recuperação completa em 6 dias. A ELI ajudou a neutralizar os efeitos neurotóxicos da ivermectina.
  9. Boxer:
    • Intoxicação: Rodenticida.
    • Aplicação da ELI: Dose de bolus imediato devido à gravidade da hemorragia.
    • Durante o tratamento: Apesar da administração da ELI, o Boxer não mostrou melhora.
    • Resultado: O Boxer faleceu 48 horas depois. A extensa hemorragia e a possível demora no tratamento podem ter sido fatores determinantes.
  10. Gato Doméstico:
    • Intoxicação: Rodenticida.
    • Aplicação da ELI: Dose de bolus seguida de infusão contínua.
    • Durante o tratamento: O gato não mostrou melhora significativa após a administração da ELI.
    • Resultado: O gato faleceu 72 horas depois. A extensão da hemorragia e a demora no tratamento podem ter sido fatores contribuintes.

Intoxicações Comuns e Aplicações Cotidianas

No dia a dia, os donos de animais de estimação podem inadvertidamente expor seus pets a várias substâncias tóxicas. Algumas situações comuns incluem:

  • Medicamentos Humanos: Como o baclofeno, que foi mencionado no estudo. Muitos medicamentos seguros para humanos podem ser tóxicos para animais.
  • Produtos Antiparasitários: Enquanto são essenciais para manter nossos pets livres de parasitas, uma dosagem inadequada ou a ingestão acidental pode levar a intoxicações, como visto no caso do Boston Terrier.
  • Rodenticidas e Inseticidas: Substâncias como brometalina e organofosfato são comuns em venenos para roedores e inseticidas. Se ingeridos por animais de estimação, podem ser fatais.

Conclusão e Implicações Futuras

A ELI representa uma revolução no tratamento de intoxicações em animais. Seu potencial para tratar uma variedade de substâncias tóxicas oferece esperança para inúmeros pets e seus donos. No entanto, é crucial que os donos de animais estejam cientes dos riscos associados a várias substâncias e tomem precauções para evitar intoxicações.

Estes casos refletem a variedade de cenários de intoxicação que os veterinários podem encontrar. Enquanto a ELI mostrou ser uma ferramenta valiosa em muitos casos, também é evidente que o sucesso do tratamento pode depender de vários fatores, incluindo a rapidez com que o tratamento é iniciado, a dose da substância tóxica e a saúde geral do animal.

Para os profissionais veterinários, a ELI é mais uma ferramenta em seu arsenal. Através de estudos contínuos e compartilhamento de informações, podemos esperar melhorar ainda mais os resultados e salvar mais vidas.

Referência: 

https://www.ncbi.nlm.nih.gov/pmc/articles/PMC6042488/

Compartilhe este conteúdo: